Publicidade

Nesta quarta-feira, 7 de julho, é comemorado o Dia Mundial do Chocolate. A data celebra uma paixão nacional, já que esse manjar maravilhoso tem um lugar especial na vida dos brasileiros. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (ABICAB), entre janeiro e setembro de 2020, o chocolate chegou a 90,1% dos lares brasileiros em pesquisa realizada pelo Instituto Kantar.

Puro, em sobremesas ou até em pratos salgados, o chocolate é uma das principais delícias consumidas por aqui. Descubra 6 curiosidades sobre esta iguaria que já foi considerada sagrada pelos povos antigos (e que continua sendo para muita gente!).

Publicidade

1) Nascido no México
Você sabia que os primeiros vestígios de chocolate datam de 1.500 a.C. na região em que hoje se localiza o México? Durante mais de 3.000 anos ele foi consumido como uma bebida quente, feita com as amêndoas de cacau, especiarias e açúcar. Em 1828, um holandês chamado Conrad von Houtten descobriu um método para extrair a gordura das sementes de cacau, produzindo assim a manteiga de cacau e tornando possível a fabricação do chocolate em estado sólido. Sem esquecer que para se ter o chocolate na forma de moldes, era preciso passar pelo processo de conchagem descoberto pelos suíços. O consumo do chocolate em estado sólido se popularizou em 1847 quando uma firma inglesa começou a produzir chocolate doce em barras para comer, diferentemente de como até então era consumido: líquido e amargo.

2) O cacau e suas origens
Em qual região é cultivado o cacau? O principal ingrediente do chocolate é cultivado na região de clima equatorial (Brasil, Equador, África, etc). A Europa, por sua vez, não possui plantações de cacau, mas é referência pela qualidade de suas matérias primas e pela perfeição dos seus processos de fabricação de chocolate, sendo por esse motivo, um continente de inspiração nesta iguaria. Outra curiosidade quando falamos de cacau é o terroir. Isso mesmo, assim como as uvas que dão vinhos, o terroir do cacau faz toda diferença para o resultado que ele irá gerar em forma de chocolate. Aí entram fatores como o clima, o solo, a região, o tipo e cuidados com o cultivo entre tantos outros. 

3) Gostinho de caramelo sem aditivos
Você sabia que o chocolate branco caramelizado alcança o sabor especial com notas de caramelo e doce de leite sem a utilização de aromatizantes ou aditivos? O segredo está nos insumos, na formulação especial e no longo e complexo processo de fabricação e conchagem para desenvolvimento do Caramélisé. A Prawer, de Gramado, foi a pioneira e por muito tempo a única empresa no Brasil a produzir este tipo de massa chamada de Caramélisé. 

4) Percentual de cacau
Para ser considerado chocolate aqui no Brasil, o produto tem que ter o mínimo de 25% de sólidos de cacau (líquor de cacau, cacau em pó e manteiga de cacau) nos chocolates escuros. Isso mesmo. Na Prawer, a fabricação dos chocolates leva bem mais do que isso. No chocolate ao leite são 38%, no chocolate meio amargo 52% e no Dark 73%.

5) Chocolate branco: é ou não é chocolate?
Existe muita dúvida a respeito do chocolate branco, afinal, ele é ou não é chocolate de verdade? Pois a resposta é sim! Ele contém a manteiga de cacau, o “ouro do chocolate”, como sólido de cacau. A legislação brasileira regra que para ser considerado chocolate branco é preciso conter no mínimo 20% de manteiga de cacau. Na Prawer, o chocolate branco tem 28% de manteiga de cacau e o chocolate branco caramelizado, o Caramélisé, 30%.

6) Flavonoides
Você sabia que os chocolates com elevados teores de cacau são ricos em flavonoides? Eles são antioxidantes, substâncias capazes de auxiliar no combate aos radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce das células, por alguns tipos de câncer e doenças cardiovasculares e por inibir a oxidação do LDL (popularmente conhecido como o “colesterol ruim”). Um exemplo de chocolate que tem bastante flavonoides é o Dark da Prawer, o chocolate amargo 73% da marca.

Chocolate Prawer – Fotos: João Ricardo

Publicidade