COE e Prefeitura de Gramado emitem nota sobre o coronavírus

50

A Prefeitura de Gramado, juntamente do Centro de Operações de Emergência (COE) Gramado, pensando sempre no seu compromisso com os cidadãos e visitantes do município, esclarece:

– A suspeita de Covid-19 é definida por conduta exclusiva médica, onde o profissional solicita o exame de laboratório após atendimento e verificação de sintomas, assim como evolução do seu quadro.

Publicidade

– Pessoas assintomáticas, que tiveram contato com casos positivos, não devem procurar a tenda, nem o Hospital. Os contatos próximos daqueles com RTPCR positivo, que estejam assintomáticos, poderão ser convocados para testagem, mediante planejamento com as equipes de saúde.

Publicidade

– Pessoas que possuem indicação de isolamento domiciliar e não cumprem, são passíveis de sanções pela Vigilância Sanitária e pelos órgãos de segurança pública, tais como Polícia Civil e Brigada Militar, além de sanções civis e penais.

– São comunicados publicamente os casos de óbitos suspeitos e confirmados de coronavírus. O óbito suspeito é quando o paciente realiza a testagem, porém ela não fica pronta antes de ser registrado o óbito.

– Informações pessoais sobre os casos testados, positivos, suspeitos, internados e óbitos são divulgados apenas para órgãos de saúde e familiares.

– O Hospital Arcanjo São Miguel, assim como outras instituições hospitalares da região e do país, sejam públicas ou privadas, NÃO recebem recursos por mortes decorrentes do novo coronavírus. Essa é uma notícia falsa (fake news), já desmentida por vários veículos de comunicação e sites especializados.

– Gostaríamos de ressaltar que, pessoas mal-intencionadas que divulgam e compartilham essas notícias falsas, ofendem os profissionais de saúde que estão na linha de frente, assim como a memória das vítimas da pandemia e seus familiares. Pior ainda, quando usam dessas informações sabidamente falsas para jogar familiares contra instituições, gestores e profissionais de saúde.

– Por fim, lembramos que acusar um profissional da saúde de mentir no atestado de óbito ou um laboratório de falsificar o resultado de um exame é crime contra a honra, previsto na legislação e sujeito a pena de prisão.